A FAMÍLIA E A SEXUALIDADE DE FILHOS/AS AUTISTAS:

O QUE A LITERATURA CIENTÍFICA NACIONAL OFERECE?

  • Thais Rodrigues de Carvalho Nascimento UNESP/Araraquara
  • Maria Alves de Toledo Bruns Universidade de São Paulo- USP (Ribeirão Preto-SP) Universidade Estadual Paulista - UNESP (Araraquara-SP)
Palavras-chave: Autismo; Educação Sexual; Família; Sexualidade

Resumo

A palavra autismo é derivada do grego “autos” com o sentido de “voltar-se para si mesmo”. As primeiras investigações do autismo iniciaram-se em 1911 pelo psiquiatra Eugen Bleuler, sendo estudado especificamente em 1943 pelo psiquiatra Léo Kanner, recebendo novas concepções a partir da década de 80 com a chegada dos Manuais Diagnósticos e Estatísticos (DSM) e da Classificação Internacional de Doenças (CID), sendo classificado atualmente como Transtorno do Espectro Autista (TEA).  O que a literatura nacional oferece para compreender a sexualidade do autista? Para responder essa indagação foi realizado uma revisão bibliográfica sistemática e meta-análise nas seguintes bases de dados: SCIELO (Scientific Electronic Library Online) e BDTD (Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações). As palavras-chave foram autismo, Educação Sexual, família e sexualidade. Resultados: 07 trabalhos publicados (Scielo 01; BDTD 06) excluídos 02 não relacionados à temática. Foram analisados 05 na íntegra categorizados por eixos temáticos: familiares (3); professores (1); outros profissionais: fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional e professor especialista (1). Nota-se um número insignificante de estudos focando a sexualidade do autista, essa realidade desvela a necessidade de investimento em formação profissional e multidisciplinar para orientar e dialogar com a família, escola, igreja e outras matrizes de sentidos acerca das manifestações afetivo/sexuais do autista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Alves de Toledo Bruns, Universidade de São Paulo- USP (Ribeirão Preto-SP) Universidade Estadual Paulista - UNESP (Araraquara-SP)

Doutorado em Psicologia Educacional pela Universidade Estadual de Campinas (1992). Mestrado em Psicologia Educacional pela Universidade Estadual de Campinas (1985) Graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras Plínio Augusto de Amparo (1983). Pós Doutorado em linguística pela Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo-USP ( 1994) Docente e pesquisadora Credenciada no Programa de Pós -Graduação - nível de mestrado e doutorado em Psicologia do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras - USP- campus de Ribeirão Preto,SP Linha de pesquisa: Psicologia Processos Culturais e Subjetivação.O Projeto Processos culturais e subjetivação: Sexualidade e Desenvolvimento: Eixos estruturantes: 1º O mosaico da família contemporânea e as relações de gênero; 2º Subjetividades binárias e não binárias de sujeitos: sexo, sexualidade, corpo/desejo/corporeidade na contemporaneidade; 3º O corpo em sua temporalidade: o processo do envelhecer, do adoecer e o (des)erotizar-se; 4º A sexualidade de sujeitos com deficiências. E a metodologia qualitativa fenomenológica é eleita para conduzir o desvelamento de horizontes compreensíveis dos fenômenos indagados. Líder do Grupo de Pesquisa Sexualidadevida-USP/CNPq.- site: www.sexualidavida.com.br. - Programa de Pós - Graduação em Educação Sexual nível de mestrado categoria profissional da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (UNESP) ? Campus de Araraquara, SP. Linha de pesquisa: Desenvolvimento, sexualidade e diversidade na formação de professores

Publicado
2020-02-18
Como Citar
Nascimento, T. R. de C., & Bruns, M. A. de T. (2020). A FAMÍLIA E A SEXUALIDADE DE FILHOS/AS AUTISTAS: : O QUE A LITERATURA CIENTÍFICA NACIONAL OFERECE?. Revista Brasileira De Sexualidade Humana, 30(1). https://doi.org/10.35919/rbsh.v30i1.70
Seção
Trabalhos de Pesquisa